Conselho Regional de Química XII Região

O Brasil passou a fazer parte do pequeno grupo de paA�ses que busca novas aplicaA�A�es industriais para criar ou aperfeiA�oar manufaturados, a partir de um recurso mineral descoberto hA? apenas 9 anos: o grafeno.

O mineral A� uma espA�cie de lA?mina do grafite, um cristal atA?mico bidimensional constituA�do de A?tomos de carbono em formato hexagonal, que foi isolado, pela primeira vez, em 2004, pelos russos Andre Geim e Konstantin Novoselov, ganhadores do prA?mio Nobel de FA�sica em 2010.

Os estudos ganharam destaque na semana passada com a inauguraA�A?o do Centro de Pesquisas AvanA�adas em Grafeno, Nanomateriais e Nanotecnologias, o primeiro do gA?nero na AmA�rica Latina.

Instalada no campus HigienA?polis da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em SA?o Paulo, a estrutura fA�sica ocupa 4 mil metros quadrados, distribuA�dos em um prA�dio de sete andares e mais dois pisos no subsolo, somando investimento de R$ 100 milhA�es.

Segundo o fA�sico Christiano Matos, os trabalhos serA?o feitos por uma equipe de 130 pessoas e por meio de parcerias com a FundaA�A?o de Amparo A� Pesquisa do Estado de SA?o Paulo e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e TecnolA?gico. HaverA? participaA�A?o tambA�m de cientistas chineses.

Matos informou que existem vA?rias empresas, principalmente dos setores de telecomunicaA�A�es e de energia, interessadas nos resultados que podem ser alcanA�ados. a�?Nossa esperanA�a A� que nA?o se perca essa oportunidade de buscar conhecimentos em benefA�cio da sociedadea�?, disse ele.

O fA�sico elenca trA?s pontos das pesquisas: a fotA?nica – tecnologia do uso da luz, principalmente fibras A?ticas; da energia (armazenamento da energia em baterias e supercapacitores, na obtenA�A?o de celulares mais leves e compactos); e materiais como polA�meros mais eficientes.

Apontado como um excelente condutor de energia e extremamente resistente, o grafeno poderA? ser aplicado em produtos como plA?stico ou lA?tex, televisA?o e smartphone, com displays flexA�veis entre outros. PoderA?o ser criados aplicativos nos segmentos automotivo, aeronA?utico e esportivo.

Segundo a Universidade Mackenzie, existem projeA�A�es de que essa tecnologia possa ser aplicada em um mercado de algo em torno de US$ 1 trilhA?o nos prA?ximos dez anos.

Entre os paA�ses que usam as propriedades do grafeno estA?o a China, onde foram registradas 2.204 patentes; os Estados Unidos, com 1.754, e a Coreia do Sul, com 1.160.

Dados da universidade mostram que a produA�A?o mundial de grafeno natural em 2013 foi 1,1 milhA?o de toneladas. A maior parte (70,4%) refere-se A� produA�A?o na China, seguida pela A?ndia, Coreia do Norte e do Brasil e CanadA?.

HA? o registro de produA�A?o em quantidade menor na RA?ssia, Turquia, Noruega, na RomA?nia e UcrA?nia, em Madagascar, no MA�xico e Sri Lanka.

O Brasil ocupa a terceira posiA�A?o no ranking mundial e as reservas minerais estA?o localizadas em Minas Gerais, no CearA? e na Bahia. O total do minA�rio beneficiado, em 2013, alcanA�ou 91.908 toneladas de minA�rio.

Fonte: AgA?ncia Brasil.