Conselho Regional de Química XII Região

HA? 20 anos, uma equipe de fA�sicos, engenheiros e pesquisadores brasileiros acompanhava a primeira volta de elA�trons no acelerador construA�do para ser a primeira fonte de luz sA�ncrotron do paA�s. A ousadia colocou o Brasil na era da Big Science.

A fonte de luz sA�ncroton pode ser comparada a um grande microscA?pio para anA?lise de diferentes materiais, como metais e cA�lulas humanas. AtA� hoje, o acelerador do LaboratA?rio Nacional de Luz SA�ncrotron (LNLS), vinculado ao MinistA�rio da CiA?ncia, Tecnologia, InovaA�A�es e ComunicaA�A�es (MCTIC), A� o A?nico da AmA�rica Latina. Sua construA�A?o, entre 1987 e 1997, A� fruto da ousadia de uma equipe de cientistas, que enfrentou desafios tA�cnicos e econA?micos para realizar um projeto pioneiro. Vinte anos depois, o LNLS estA? perto de concluir outro megaprojeto, o Sirius, que vai colocar o Brasil na lideranA�a mundial de luz sA�ncrotron de quarta geraA�A?o.

“A� muito empolgante observar que, em um intervalo de apenas 20 anos, o Brasil saiu de uma situaA�A?o em que estA?vamos iniciando as primeiras atividades na geraA�A?o da luz sA�ncrotron – apA?s sair em 1987 da estaca zero na A?rea de tecnologia de luz sA�ncrotron quando o projeto de construA�A?o do LNLS teve inA�cio – para hoje termos um projeto que A� lideranA�a mundial nesta A?rea. Podemos entA?o dizer que o Brasil saiu da estaca zero e estarA? no estado da arte mundial na tecnologia de luz sA�ncrotron”, disse o diretor do LNLS e coordenador do projeto, Antonio Roque.
Segundo ele, a construA�A?o do acelerador permitiu uma sA�rie de conquistas para a comunidade cientA�fica, como a formaA�A?o de pesquisadores capazes de utilizar uma ferramenta tA?o sofisticada como a luz sA�ncrotron e a ampliaA�A?o das estaA�A�es experimentais, chamadas de linhas de luz, que passaram de sete para 18.

“Consideramos tambA�m uma grande conquista o fato de estarmos atA� hoje operando a nossa fonte de luz com alta qualidade e alto A�ndice de confiabilidade para os nossos usuA?rios-pesquisadores, e de recebermos muitas pesquisas que estA?o na fronteira do conhecimento. Podemos dizer que o coroamento dessas conquistas serA? o Sirius, que estA? sendo construA�do com tecnologia 100% nacional, e que serA? um dos sA�ncrotrons de maior brilho no mundo, sendo um dos primeiros da chamada 4A? geraA�A?o”, afirmou.

Fonte: MCTIC.