Nesta quarta-feira, 13 de setembro, o Presidente do CRQ-12, Dr. Luciano Figueiredo de Souza, esteve na Câmara dos Deputados, em Brasília, juntamente com o Presidente do CFQ, Dr. José de Ribamar Oliveira Filho e os membros do Comitê de Relações Institucionais e Governamentais do Conselho Federal de Química (CRIG/CFQ), para participar do debate promovido pela Frente Parlamentar da Química e pelo Instituto Nacional do Desenvolvimento da Química (IDQ) sobre o tema “Combate ao Ilícito na Cadeia Produtiva da Indústria Química”. O evento teve como objetivo mostrar a sociedade como esses produtos ameaçam a saúde pública, impactam negativamente a economia nacional, alimentam o crime organizado e afetam o meio ambiente.

Segundo levantamento realizado em 2021 pela Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Higiene, Limpeza e Saneantes de Uso Doméstico e de Uso Profissional (ABIPLA), apenas no mercado de saneantes, cerca de 22% dos produtos de limpeza domésticos utilizados no país, são oriundos do mercado informal. No setor de defensivos, esse número pode chegar a 25%. “Esse mercado paralelo pode levar ao aumento do contrabando e falsificação de produtos químicos, além da perda de arrecadação pública e dos riscos à saúde, pois muitas misturas perigosas podem compor esses produtos, que não são homologados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária”, alerta Paulo Engler, diretor executivo da ABIPLA.

O combate ao mercado informal é uma tarefa desafiadora, mas essencial para proteger a sociedade e o meio ambiente dos riscos associados a produtos químicos não regulamentados. Para enfrentar esse desafio, é preciso adotar uma abordagem abrangente que envolva regulamentação rigorosa, monitoramento eficaz e cooperação internacional. A colaboração entre governos, agências reguladoras, Sistema CFQ/CRQs e a indústria é fundamental para alcançar esse objetivo.

Presidente do CFQ, Dr. José de Ribamar Oliveira Filho e os membros do Comitê de Relações Institucionais do Conselho Federal de Química (CRIG/CFQ).