Conselho Regional de Química XII Região

O dA�ficit da balanA�a comercial de produtos quA�micos atingiu US$ 6,4 bilhA�es nos quatro primeiros meses deste ano, equivalente a um recuo de 18,4% em relaA�A?o ao mesmo perA�odo de 2015. De janeiro a abril de 2016, o Brasil importou US$ 10,2 bilhA�es e exportou US$ 3,8 bilhA�es em produtos quA�micos. Na comparaA�A?o com o mesmo perA�odo do ano passado, as importaA�A�es diminuA�ram 14,6% ao passo que as exportaA�A�es recuaram 7,5%. No acumulado dos A?ltimos 12 meses (maio de 2015 a abril de 2016), o dA�ficit A� de US$ 24,0 bilhA�es, menor valor observado desde 2010, quando foi registrada a cifra de US$ 20,6 bilhA�es.

O item resinas termoplA?sticas foi o mais exportado pelo PaA�s, com vendas de US$ 766,8 milhA�es entre janeiro e abril deste ano, o que representou um aumento de 39,2% em relaA�A?o aos mesmos meses de 2015. JA? os intermediA?rios para fertilizantes permanecem como o principal grupo da pauta de importaA�A?o brasileira de produtos quA�micos, com compras de US$ 1,5 bilhA?o no acumulado do ano, registrando-se uma queda de 3,2% na mesma comparaA�A?o.

De janeiro a abril, os produtos quA�micos responderam por 23,9% do total de US$ 42,7 bilhA�es em importaA�A�es e 6,8% dos US$ 55,9 bilhA�es em exportaA�A�es realizadas pelo PaA�s. As importaA�A�es de produtos quA�micos movimentaram 10,7 milhA�es de toneladas e o volume das exportaA�A�es chegou a 5,4 milhA�es de toneladas, aumentos respectivamente de 10,9% e de 8,7% em relaA�A?o aos quatro primeiros meses de 2015.Apesar da reduA�A?o do dA�ficit em produtos quA�micos no acumulado do ano, os resultados da balanA�a comercial continuam sendo uma das principais preocupaA�A�es do setor no PaA�s. a�?O aumento de volume nas trocas comerciais de produtos quA�micos aponta que o canal externo decididamente terA? papel fundamental para o setor neste ano. A manutenA�A?o da taxa de cA?mbio nos atuais patamares, bem como o combate contra prA?ticas irregulares nas compras externas e a alavancagem do potencial exportador do PaA�s sA?o condiA�A�es indispensA?veis para que a indA?stria consiga minimizar os efeitos negativos do delicado momento econA?mico internoa�?, avalia Denise Naranjo, diretora de Assuntos de ComA�rcio Exterior da Abiquim.

Fonte: Abiquim.